Ao som de A Praieira (Chico Science & Nação Zumbi)

Localizada no sul da Bahia, a Península do Maraú abriga praias atraentes para perfis distintos de viajantes: para os interessados em mergulho livre com snorkel, como é o caso da praia de Taipu de Fora – com suas piscinas naturais e seus extensos arrecifes de corais -; para os praticantes do surf, como Bombaça, e para os amantes de praias tranquilas, com um mar de águas calmas e cristalinas, como Barra Grande ou a linda Ponta do Mutá, conhecida por ser um dos lugares mais bacanas da Península para assistir a um pôr do sol dourado e de que falaremos hoje! Lorena Grisi, minha companheira nesta viagem, e eu despertamos então com o cacarejo imaginário das galinhas e, monidas de protetor solar, fomos invadir mais uma praia da Península para mostrar #oqueehqueabahiatem (projeto que contou nesta fase com o apoio da Pousada Taipu de Fora, do fotógrafo Haroldo Magalhães, e da AD Comunicação & Marketing).


  •  #oqueehqueabahiatem invadindo a praia da Ponta do Mutá – Península do Maraú, Bahia
Ponta do Mutá vista do mar. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Ponta do Mutá vista do mar. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Depois de chegarmos de nossa viagem de Salvador à Península do Maraú, uma das coisas que Lorena e eu decidimos fazer foi bater um papo com algumas pessoas para descobrir o que é considerado imperdível na península e como faríamos para chegar até estes locais. Quem nos ajudou bastante neste momento foi Thailla Macedo, funcionária super atenciosa da Pousada Taipu de Fora, que, com um mapa em mãos, nos deu algumas dicas valiosas do que visitar e de como ter acesso a alguns locais. Apesar de Thailla não ter deixado eu surrupiar o mapa dela, agradeço pelas valiosas dicas! 😀 Bom, conversa vai, conversa vem, uma das coisas que nos preocupava era como iríamos conseguir conhecer parte da Península sem voltarmos falidas da viagem. Em Maraú, o viajante pode pegar as jardineiras, que funcionam como uma espécie de ônibus na região; táxis ou fazer como nós: alugar um quadriciclo por um dia inteiro (você pode rodar por umas 12 horas) e dividir o valor com seu companheiro de viagem. Como era baixa estação, conseguimos negociar com o Afonso Mergulho o valor em R$ 120,00 (dividido entre eu e Lorena e já com o tanque cheio).

  • Vou de quadriciclo, cê sabe… Ou, da vez que perguntei pelo Chapolim Colorado 
Jana Calaça e Lorena Grisi - #ruivasadventure na Península de Maraú. Imagem: Jeguiando

Jana Calaça e Lorena Grisi – #ruivasadventure na Península de Maraú. Imagem: Jeguiando

Naíne, que toca ao lado de Afonso o negócio de locação de quadriciclos na península, deixou nosso veículo logo cedo na Pousada Taipu de Fora e fez questão de nos dar uma rápida aula de como pilotar o dito cujo. Já pilotei quadriciclo em alguns momentos em minha vida, mas precisei relembrar tudo de novo. Depois de pegar todos os principais macetes para dirigir, estávamos prontas para pegar estrada rumo à Barra Grande, de onde teríamos acesso à praia da Ponta do Mutá, que havíamos programado de visitar naquele dia. Well, well… Já todas #trabalhadasnocapaceteclaustrofobico, lá fomos nós… De chave na mão, só na vibe do #vrumvrum!

Jana Calaça e Lorena Grisi - #ruivasadventure na Península de Maraú. Imagem: Jeguiando

Jana Calaça e Lorena Grisi – #ruivasadventure na Península de Maraú. Imagem: Jeguiando

Nos primeiros momentos, correu tudo bem. Como não conhecíamos a região, prestar atenção às placas era importante, principalmente para a gente não parar no meio do mato, entrar em algum buraco e sei lá… Acabar batendo um papo com o Mestre dos Magos, no melhor estilo Caverna do Dragão! Foi numa dessas de prestar atenção demais às placas e muito pouco na estrada de terra (que tem seus declives), que… Tchan, tchan, tchan… Poft, cabum, boing, tchibum… Sim, eu consegui virar o quadriciclo depois de passar por um buraco. Com o quadriciclo virado, nos certificamos, ainda no chão, se não havíamos perdido nenhum de nossos gloriosos dentes ou se deixamos um filé de nossos glúteos na terra. Lorena e eu, moças phynnas da cidade, ali, no meio do nada, no meio da estrada de terra, com mato de um lado, com mato do outro… “É, minha nêga, tâmo f** piiiiii). Eu tinha ganho um belo arranhão no braço (ahhhhhhh, vou morreeeeeeeer de infecção!) e, de quebra, depois de colocarmos o quadriciclo no lugar, descobrimos que o troço não pegava nem com reza “braba”! Debaixo daquele solzinho básico, só pensei… Por onde anda o Chapolim Colorado, que não está aqui para nos defender! Depois de um breve momento, me sentindo uma náufraga de estrada, sem bola de vôlei para pintar de Wilson, só restou Lorena dizer que iria até a pousada andando buscar ajuda e que eu ficasse na estrada tomando conta do quadriciclo. “No dramas, no Chapolim, just Grisi” e sua praticidade! 😛 Sei que nem precisou Lorena se desembestar para Taipu de Fora. Ao longe, nosso Chapolim de capacete apareceu! Era um rapaz da região, varão virtuoso e ungido, que olhou para a cara das loucas, engrenou de novo o quadriciclo e botou o “bicho” pra funcionar! “Simpres” assim! Muito agradecidas, voltamos para a pousada só para lavar os ferimentos (#drama) e pegar estrada novamente!!!

  • Ponta do Mutá – Península do Maraú, Bahia
Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

#Bonsdrink em Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

#Bonsdrink em Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Depois de todo o caos e trauma que causei na vida de minha companheira de viagem, Lorena Grisi, conseguimos (depois dela dizer que se eu corresse de novo com o quadriciclo, eu caíria no chão com uma pedrada que ela jogaria em mim), finalmente chegamos em Barra Grande – nosso acesso para a Ponta do Mutá. Seguimos as placas por um tempo, chegamos no lugar certo, mas uma tia “mucho lôca” nos disse que dali levaríamos uns 20 minutos para chegar a pé na praia (#dorgasmanolo). Convencidas pela tia sem noção de distância, demos ainda umas voltas, fritando debaixo do sol, até que um rapaz disse que tínhamos chegado no lugar certo ( ¬¬ ) e que a mulher havia confundido a gente ( ¬¬ ). Sei que voltamos para o mesmo lugar de início, estacionamos o quadriciclo e a doida da tia se fez de desentendida. Zoraite, tia! 1×0, vu?!!! 😛

Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Prática de Stand Up Paddle em Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Prática de Stand Up Paddle em Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

O local onde estacionamos o quadriciclo fica no fundo do Restaurante Sol do Mutá e, ao contrário do que a tia mucho lôca falou, não leva nem cinco minutos para ter acesso à praia, muito menos vinte!!! Well… Depois de nossa indignação típica de férias, chegamos à linda (LINDAAAAAAAAA) praia da Ponta do Mutá, um cantinho daqueles gostosos, que você vai sem hora certa pra voltar!

Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Ponta do Mutá. Península do Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Deixamos nossas coisas numa mesinha à beira-mar no Restaurante Sol do Mutá e corremos para o mar. Ahhhhhh, o mar! Um mar de águas cristalinas, quentinho, gostoso, ótimo para pessoas como eu, com joelhos lenhados e que odeia ficar dando “migué” em onda e levar caldo a toda hora! 😀

Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

As águas cristalinas e calmas da Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

As águas cristalinas e calmas da Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Por ser baixa estação, pegamos a praia do jeito que eu gosto: praticamente vazia! Na areia, alguns poucos casais e grupos de amigos se reuniam para curtir a tranquilidade e as águas cristalinas. Algumas pessoas, inclusive, chegaram cedo à Ponta do Mutá para passar o dia inteiro e esperar por seu pôr do sol, conhecido como o melhor da região. Na barraca/restaurante, tocava desde mpb a bolerões (nada de Axé, pagodão e arrocha para minha alegria!). E foi assim que passamos o dia! Tomando uns #bonsdrink gelados (sem uma gota de álcool, porque se eu viro quadriciclo sóbria, imagine com uma gota de vodka!), nos besuntando de protetor solar, boiando como divas no mar, curtindo aquele dia bom… Aquele dia de praia quente e gostosa no sul da Bahia! 😀

Lorena Grisi, diva em Mutá! Imagem: Janaína Calaça

Lorena Grisi, diva em Mutá! Imagem: Janaína Calaça

As águas cristalinas e calmas da Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

As águas cristalinas e calmas da Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Outras informações:

  • Sobre locação do quadriciclo:

– Quem faz: Afonso Mergulho.

– Tel.: (73) 9924-8558.

– Contato: afonsomergulhoeaventura@yahoo.com.br

– Valor: R$ 150,00 (com combustível para doze horas)

  • Localização de onde ficamos na Ponta do Mutá:

– Em frente ao Restaurante Sol do Mutá.

Escultura em frente à Pousada/Restaurante Sol do Mutá. Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça

Escultura em frente à Pousada/Restaurante Sol do Mutá. Ponta do Mutá. Península de Maraú, Bahia. Imagem: Janaína Calaça


Exibir mapa ampliado

Se você gostou deste post sobre a viagem à Península de Maraú, não deixe de acompanhar nossas próximas postagens!

O projeto #oqueehqueabahiatem contou com o apoio, nesta fase, da Pousada Taipu de Fora, do fotógrafo Haroldo Magalhães, e da AD Comunicação & Marketing.

Agradecimentos especiais:

A Ana Davini, Haroldo Magalhães, Danúzia Motta e à minha companheira de viagem, Lorena Grisi (https://twitter.com/LGrisi).

Conheça as fanpages de nossos apoiadores:

Taipu de Fora (https://www.facebook.com/PousadaTaipudeFora?fref=ts) e AD Comunicação (https://www.facebook.com/AdComunicacaoMarketing?fref=ts).

Acompanhe o Jeguiando nas redes sociais!

Conheça nossa Fanpage!

http://www.facebook.com/Jeguiando

    *Aviso: Todo o conteúdo do Jeguiando.com está protegido pela LEI DO DIREITO AUTORAL, Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998. Portanto é proibida qualquer reprodução ou divulgação das imagens, com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na WEB, sem prévia consulta e aprovação.     **Comentários ofensivos serão deletados.  

19 Comentários

  1. Ei Jana,

    Que lugar lindo! Estive na Península do Maraú por um dia apenas quando fui a Itacaré e achei o lugar simplesmente fantástico. 🙂 Adoro seus posts. Me fazem me sentir presentes nas cenas hilárias que acontecem (quadriciclo virando, tia mucho loca…). Parabéns!

    Beijos,
    Lillian.

  2. Sheila Machado disse:

    Que delícia!

  3. Bruno Macedo disse:

    Que show Janaína!! Já ouvi falar que esse lugar é maravilhoso e mantêm um fluxo diferenciado de turistas pelo dificil acesso até Maraú. Gostaria de saber qual é o estado da estrada até Maraú? E se realmente é recomendado ir com qualquer tipo de veiculo? Abração e adorei as dicas.

  4. Lidia Norte disse:

    Janaína, que legal! Você pilotou um quadriciclo! Morro de vontade! Mas por que ele virou? Você tava mesmo correndo?
    Amei esse mar calminho… Eu gosto de praia, mas morro de medo de tomar caixote, já tomei uns brabos… Hihihi!
    Gosto muito dos seus posts, você escreve super bem!
    Abraços,
    Lidia.

    • Lidia, já pilotei quadriciclo outras vezes, mas desta vez foi livre, sem guia. Eu aluguei o quadriciclo como um meio de transporte e acabei virando porque me distraí lendo uma placa e não vi um buracão! Hahahahahaha Mas é super tranquilo! 😀

      Beijão,

      Jana.

  5. Boia Paulista disse:

    Oi, Jana. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie – Boia Paulista

  6. Mari Campos disse:

    Jana, que delícia de viagem, hein? Tombitos à parte, quantas aventuras :mrgreen: Btw, a Península do Maraú é meu pedacinho favorito da Bahia.

    • Mari, foi uma delícia de viagem sim! Com tombo, duas doidas perdidas na estrada, duas doidas perdidas na vila de Barra Grande, mas estamos aqui, vivas! Hahahahahha O lugar é lindo demais. Na primeira oportunidade q surgir, volto pra lá novamente!

      Beijão, minha querida!

      Jana.

  7. Kelly Maria Lara disse:

    Adorei!!!!!
    Que saudades da Bahia, minha única viagem fora do Rio!
    Maraú nossa… fui de ônibus e achei mais dicas em http://www.rodoviariasbrasil.com.br, espero que ajude!!! Beijocas e parabéns pela matéria e blog

  8. Debora e Fernando disse:

    Olá Janaina, tudo bem?
    Adorei o seu post!!!
    Meu esposo e eu estamos com passagens compradas para Marau, e vamos na ultima semana de julho 🙂
    Queria te consultar para algumas perguntinhas, se voce puder me ajudar 🙂

    1. Chove lá essa época? Os relatos na internet me deixam confusa, liguei lá e cada um fala uma coisa…rssss…dai quem sabe voce saberia me ajudar ne?
    2. Você sabe se é possivel ir e voltar de bike desde taipu até barra grande a noite? Isto é, se valer a pena sair de Taipu (estamos pensando na pousada bambu dourado) para ir jantar né?
    2. Você saberia dizer se restaurante por lá é muito caro?

    Muito obrigada Janaina e me desculpe o tanto de perguntas!!!

    Bjs e bom fim de semana 🙂

    Débora e Fernando Chagas

    • Olá, Débora e Fernando! Tudo bem?

      Débora, em junho costuma chover bastante no Nordeste, mas em um julho a tendência é a coisa toda dar uma acalmada. No entanto, é sempre bom ter em mente que questões climáticas são bem imprevisíveis. Geralmente, n chove tanto quanto em junho, mas é bom estar preparado para algumas mudanças climáticas comuns;

      Ir de bike é possível durante o dia (mas é um pouco distante). À noite, n recomendo devido à pouca iluminação na estrada, que também é de terra. Mas há serviços de taxis e jardineiras, que podem fazer esse traslado à noite tranquilamente.

      Há restaurantes para todos os bolsos. E tb é preciso definir o que seria caro, pq o conceito muda de pessoa para pessoa. É super subjetivo. Por exemplo, dividi um camarão ao molho de palmito fantástico no A Tapera (a porção dá para 3 pessoas comerem bem) e ainda tomamos refrigerante, água de coco. A conta deu perto de 80 reais, dividida entre duas pessoas. A comida foi boa, porção bem servida. Os 80 reais ainda incluíam os 10%. Acho q n foi tão mal. Mas, novamente, tem vários restaurantes por lá e para todos os bolsos! =)

      Qlqer coisa q precisar, estamos por aqui!

      Grande abraço,

      Jana.

  9. Luciane Guarizi disse:

    Olá Janaína,
    Adoramos seu blog e suas dicas. Iremos à Barra Grande em agosto próximo. Você sabe me dizer qual operadora de celular funciona lá. Sei que o lugar é para esquecer, desligar da rotina, mas temos duas pessoinhas que vamos deixar e precisamos saber se está tudo sob controle. Abraços
    Luciane e Francisco

    • Oi, Luciane! Td bem?

      Luciane, normalmente a operadora que pega em destinos mais isolados é a Vivo. Na Bahia, a Oi tb funcionava bem. =)))

      Espero que você se divirta bastante! Depois conte aqui o que achou do destino!

      Beijão,

      Jana.

  10. ALEXANDRE SEGUNDO disse:

    Meninas dei muitas risadas aqui lento este post ás 00:30 de domingo tendo que acorda 05:00 para o trabalho. Gostei muito deste jeguiando!! Vocês estão me guiando mesmo na península. Com certeza eu e a minha Prima vamos lembrar de vocês em setembro quando estaremos na Península. Abraços!!


Anuncie no Jeguiando! 8 anos de viagens! Lojinha_do_Jeguiando

Pesquisar

  Expedição Jeguiando Across Canada - Atravessando o Canadá nos trens da Via Rail  

Destinos visitados pelo Jeguiando

    alemanha bariloche2 Canadá patagonia_chilena3 França Alagoas_topo Bahia recife Mato_Grosso_do_Sul Minas_Gerais Rio Sao_Paulo Paraná Porto_Alegre Santa_Catarina

Posts mais Populares

%d blogueiros gostam disto: