São Paulo é sem dúvida uma caixinha (gigante no caso) de surpresas. Em Fevereiro de 2012, publicamos um post com tom passional e saudosista falando sobre as barbearias antigas de São Paulo. Desde então, esse tema continua recorrente em nosso dia a dia – sempre que a Jana e eu avistamos alguma barbearia antiga, arrumo um jeitinho de parar e observar a dinâmica da “casa”. Caso identifique algo interessante, arrisco-me a ocupar a cadeira de barbeiro e entregar minha aparência às mãos dos profissionais da casa.


Poste de barbearia - Imagem: Erik Pzado

Poste de barbearia. Imagem: Erik Pzado

Sempre tive o hábito de caminhar pelas ruas realmente observando os arredores e tentando achar algo que agrade aos olhos. Numa dessas andanças pela região da Praça da Sé no Centro de São Paulo, segui descendo pela rua Benjamim Constant sentido Largo São Francisco, até que, ao cruzar a rua Senador Paulo Egídio, me deparei com um objeto rotatório, reluzente e recorrente no imaginário de barbearias americanas. Quem não se recorda da cena de um poste giratório em frente a uma barbearia em um filme de época americano? Já imaginei um hotrod ou uma Indian Chief 1950 parados na porta. Pronto, minha atenção acabara de ganhar um foco e para lá segui.

Vidraça da Barbearia 9 de Julho     Vidraça da Barbearia 9 de Julho. Imagem: Erik Pzado

Vidraça da Barbearia 9 de Julho. Imagem: Erik Pzado

Ao me aproximar, vejo na vidraça a inscrição Barbearia 9 de Julho e, com o olhar atravessando a parede de vidro, vejo três cadeiras de barbeiro bastante antigas porém em bom estado. Foi o convite que faltava. Adentrei a loja e pude ter uma melhor visão do que me esperava. Em uma vitrola retrô, dessas de design antigão e feita de materiais modernos como plástico, rolava ‘Baby She’s Gone’ de Jack Scott.

Ao redor, itens de época como um mancebo com roupas penduradas, um telefone de disco (sim, tenho certeza que uma criança de hoje em dia demoraria alguns minutos até entender como ligar para alguém) e finalmente os cavalheiros que fazem a roda girar – os barbeiros. Com seus irretocáveis cabelos de época, os profissionais da casa só distoam do estilo anos 1950 da casa pela idade (entre 20 e 40 aproximadamente).

Os Barbeiros. Imagem: Erik Pzado

Os barbeiros André Fernandes (esquerda) e Rafael Gasparro. Imagem: Erik Pzado

Toda a inspiração da Barbearia 9 de Julho é evidentemente do meio do século passado, o que a torna um ponto turístico por si só.  Durante a execução do corte solicitado – “…um flat top bem baixo por favor…” –, pude ver vários olhos curiosos do lado de fora do salão, ora trocando comentários, ora parando apenas para admirar o trabalho dos barbeiros.

Homens trabalhando. Imagem: Erik Pzado

Homens trabalhando. Imagem: Erik Pzado

O clima da casa é bastante acolhedor. É um clube de cavalheiros, onde o papo rola solto sem censuras ou frescuras. Durante minhas repetidas visitas à barbearia, pude perceber a vasta gama de fregueses cativos e recorrentes. É interessante poder presenciar a quantidade de clientes atendidos e satisfeitos, onde, em um dia normal de trabalho, você pode observar desde o gordo blogger viajante que vos escreve até executivos em seus ternos – sem esquecer, é claro, de passar pelos exigentes entusiastas do visual e cultura rockabilly, que ostentam seus invejáveis topetes e cabelos muito bem cortados pelos funcionários da casa.

Visita à unidade Vila Mariana. Imagem: Erik Pzado

Barbeiro Maurício Américo aguardando a clientela. Imagem: Erik Pzado

Para os entusiastas da barbearia e dos anos 50, o local ainda disponibiliza souvenires como camisas devidamente identificadas com a marca da 9 de Julho e goma para cabelos, item este indispensável para alguns tipos de penteados utilizados pelos frequentadores da barbearia. Apesar de não ser em essência um ponto turístico em São Paulo, ainda assim vale a pena dar uma passada por lá, pois a 9 de Julho traduz um pouco a identidade da cidade – uma metrópole onde é possível encontrar um pouco de tudo, não só de culturas distintas e diversas, mas de outras épocas também.

Fachada da barbearia no Centro de SP. Imagem: Erik Pzado

Fachada da barbearia no Centro de SP. Imagem: Erik Pzado

  • Outras informações:

– Localização: Rua Senador Paulo Egídio, 63 Lgo. São Francisco – Centro (e seus outros 4 endereços)

– Site oficial: http://www.barbearia9.com.br

Siga a trupe do Jeguiando no Twitter!

Curta nossa Fanpage!

    *Aviso: Todo o conteúdo do Jeguiando.com está protegido pela LEI DO DIREITO AUTORAL, Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998. Portanto é proibida qualquer reprodução ou divulgação das imagens, com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na WEB, sem prévia consulta e aprovação.     **Comentários ofensivos serão deletados.  

3 Comentários

  1. […] Caso esteja em São Paulo e queira conhecer uma alternativa moderna, com estilo retrô e bastante interessante, vale ainda uma visita ao post sobre a Barbearia 9 de Julho. […]

  2. Sou uma apaixonada por antiguidades e por lugares preservados ou que remetam a uma volta no tempo. Não sabia da existência desse empreendimento e o achei belíssimo. Em Porto Alegre temos uma pequena barbearia preservada, sendo que os netos resolveram readequar o espaço e o dividiram com um bistrô, com vista para o interior do antigo estabelecimento. Ficou lindo. No Porto (pt) me hospedei num pequeno hotel, mas minha paixão por ele decorreu exatamente dos objetos que se encontravam em exposição ou disponíveis para o uso pelos hóspedes, um charme´!! Abraços…

    Paula


Anuncie no Jeguiando! 8 anos de viagens! Lojinha_do_Jeguiando

Pesquisar

  Expedição Jeguiando Across Canada - Atravessando o Canadá nos trens da Via Rail  

Destinos visitados pelo Jeguiando

    alemanha bariloche2 Canadá patagonia_chilena3 França Alagoas_topo Bahia recife Mato_Grosso_do_Sul Minas_Gerais Rio Sao_Paulo Paraná Porto_Alegre Santa_Catarina

Posts mais Populares

%d blogueiros gostam disto: