Quando pensamos em resorts, automaticamente os associamos ao lazer e à badalação, no entanto alguns destes complexos estão investindo em outras searas, mantendo o lazer, mas oferecendo outros tipos de experiências para quem esteja disposto a vivencia-las. É o caso do Canto da Floresta Eco Resort, que fomos convidados a conhecer no fim de semana dos dias 27 a 29 de julho. Localizado na divisa entre as cidades de Amparo e Monte Alegre, a pouco mais de 140 km de São Paulo, entre montanhas e vales verdes, o resort não só encontra-se cercado pela natureza em toda a sua exuberância, como dedica-se a atividades voltadas para a reconexão do ser humano às suas raízes naturais, através de vivências como trilhas e de rituais místicos, que envolvem o contato com o sol, a lua, o fogo, as águas. Neste fim de semana que passamos por lá, Erik e eu participamos das vivências que compõem a programação inclusa na diária dos hóspedes: a trilha de revitalização até o Parque Místico, meditação e o Ritual do Fogo. Ainda fizemos sozinhos a trilha até a cachoeira e até a árvore dos desejos. Confira então, a partir de hoje, o nosso relato sobre as vivências no Canto da Floresta Eco Resort.

  • Trilha da revitalização até o Parque Místico e a vivência dos Chakras
Momento da escolha dos cajados. Imagem: Erik Pzado

Momento da escolha dos cajados. Imagem: Erik Pzado

Nossa primeira vivência foi a trilha da revitalização até o Parque Místico, uma trilha que dura duas horas e meia e que envolve dois níveis de dificuldade: suave e médio. Todas as atividades propostas na programação são monitoradas e,  nesta atividade, fomos guiados por uma terapeuta que cuida das vivências místicas do resort.

Começando a trilha. Imagem: Erik Pzado

Começando a trilha. Imagem: Erik Pzado

Os primeiros passos da trilha foram a escolha do cajado e o aquecimento antes de partir. O cajado dá estabilidade e segurança nas trilhas, tantos na subidas, como e principalmente nas descidas em solos irregulares, o que facilita bastante o deslocamento. A vivência tem seu início na própria escolha do cajado: cada um desses objetos vem acompanhado de uma inscrição, que passa uma mensagem àquele que o escolhe. No meu estava escrito “serviço ao próximo” e no do Erik paciência. Após escolhidos os cajados, partimos para o aquecimento, que era uma série de exercícios de alongamento para podermos caminhar melhor.

Erik na trilha. Imagem: Janaína Calaça

Erik na trilha. Imagem: Janaína Calaça

A trilha margeia um rio e suas corredeiras. Imagem: Erik Pzado

A trilha margeia um rio e suas corredeiras. Imagem: Erik Pzado

Um dos objetivos da vivência era proporcionar ao grupo a possibilidade de se reconectar à natureza. A caminhada não só é voltada ao estímulo do corpo (já que vivemos um cotidiano estressante e sedentário), como também ao estímulo da mente (o silêncio, os sons da mata, dos animais e das águas do rio, que margeavam o caminho). As subidas íngremes, as rochas, os galhos soltos, tudo remete aos obstáculos da vida, às dificuldades e às superações. A trilha é uma proposta de jornada para dentro de si mesmo.

Formiguinha. Imagem: Erik Pzado

Subidas. Imagem: Erik Pzado

Subidas. Imagem: Erik Pzado

– Parada nos templos

Ao longo do caminho até o Parque Místico, passamos pelos templos do Sol e da Lua. Dentro de uma perspectiva holística, não só fazemos parte da natureza, como também somos influenciados por seus elementos e por tudo que os regem. A passagem pelo templo do Sol nos leva ao reencontro com sua importância na vida dos seres. É o sol que traz luz e calor e que sustenta todas as formas de vida. Já a lua está ligada às mudanças, representadas pelas suas fases e formas. Nestes templos, também acontecem rituais de reconexão, mas não chegamos a fazê-los.

Parada no templo da lua. Imagem: Erik Pzado

Parada no templo da lua. Imagem: Erik Pzado

Templo da lua. Imagem: Erik Pzado

Templo da lua. Imagem: Erik Pzado

Além dos Templos do Sol e da Lua, passamos também pela Pirâmide, construída nas mesmas proporções da Pirâmide de Quéops no Egito. A pirâmide proporciona uma passagem simbólica para os domínios celestiais.

– Parque Místico

Adentrando o Parque Místico. Imagem: Erik Pzado

Adentrando o Parque Místico. Imagem: Erik Pzado

Depois de uma longa subida, chegamos ao ponto alto (literalmente) de nossa caminhada: o Parque Místico. Antes de adentrarmos ao parque, nossa guia fez a abertura do Portal Cósmico. Antes de entrarmos em todos os templos e locais sagrados, éramos orientados a pedir licença e passagem, por ali fluírem energias distintas das nossas. Após a abertura do portal, adentramos então ao parque místico, pontuado de simbologias e onde partimos para a vivência dos chakras.

Natureza. Imagem: Erik Pzado

Natureza. Imagem: Erik Pzado

– Os Chakras

“Os Chakras são definidos como pontos de energia com diferentes vibrações. A energia dos Chakras circula pelo corpo físico por meio de canais energéticos (nádis), sendo que cada um está associado a uma glândula endócrina e a um plexo nervoso principal. Eles absorvem a força universal ou primária (chi), a decompõe em suas partes e, em seguida, a enviam para o sistema nervoso, para as glândulas endócrinas e para o sangue” (Fonte: Guia de apresentação do Canto da Floresta Eco Resort). Durante nosso percurso entre os Chakras, não só entramos em contato com as pedras ligadas a cada um destes pontos energéticos, como entoamos os mantras referentes a cada um destes pontos.

1º Chakra – de base

1º Chakra - de base. Imagem: Erik Pzado

1º Chakra – de base. Imagem: Erik Pzado

O primeiro Chakra ou de base situa-se na região genital, na bacia, diante do cóccix, na base da coluna. Sua função é trazer vitalidade para o corpo físico. Cor: Vermelho. Elemento: terra. Planeta: Saturno. Cristais: Granada, Quartzo Fumê, Rubi e Turmalina Preta. Qualidades positivas: Coragem, estabilidade, individualidade, segurança, saúde, paciência e sucesso. Eles ligam a pessoa à terra e oferecem proteção mais eficaz. Desequilíbrio: Insegurança, raiva, tensão e violência. Mantra entoado: LAM.

2º Chakra – umbilical

2º Chakra - umbilical. Imagem: Erik Pzado

2º Chakra – umbilical. Imagem: Erik Pzado

O segundo Chakra ou umbilical situa-se a dois dedos abaixo do umbigo. Suas funções estão ligadas à reprodução, força e vitalidade. Cor: Laranja. Elemento: água. Planeta: Júpiter. Cristais: Âmbar, Coral, Coralina. Qualidades positivas: Assimilação de novas ideias, dar, receber, desejos, emoções, mudanças, prazer, saúde e tolerância. Desequilíbrio: Confusão, ciúme, impotência, problemas de bexiga e problemas sexuais. Mantra entoado: VAM.

3º Chakra – Plexo Solar

3º Chakra - Plexo Solar. Imagem: Erik Pzado

3º Chakra – Plexo Solar. Imagem: Erik Pzado

O terceiro Chakra ou do Plexo Solar situa-se acima do umbigo. Suas funções estão ligadas à digestão, às emoções e ao metabolismo. Cor: Amarelo. Elemento: fogo. Planeta: Marte. Cristais: Âmbar, Olho de Tigre, Ouro, Topázio e Citrino. Qualidades positivas: Autocontrole, autoridade, energia, humor, imortalidade, poder pessoal e transformação. Desequilíbrio: Medo, ódio, problemas estomacais e raiva. Mantra entoado: RAM.

4º Chakra – cardíaco

4º Chackra - cardíaco. Imagem: Erik Pzado

4º Chakra – cardíaco. Imagem: Erik Pzado

O quarto Chakra ou cardíaco situa-se no coração. Sua função é a de energizar o corpo físico e o sangue. Cor: Verde. Elemento: ar. Planeta: Terra. Cristais: Esmeralda, Jade Verde, Quartzo, Turmalina verde ou rosa. Qualidades positivas: Amor incondicional, compaixão, paz, equilíbrio, harmonia. Desequilíbrio: Instabilidade emocional, problemas de coração e circulação. Mantra entoado: YAM.

5º Chakra – laríngeo

5º Chakra - laríngeo. Imagem: Erik Pzado

5º Chakra – laríngeo. Imagem: Erik Pzado

O quinto Chakra ou laríngeo situa-se na garganta. Suas funções estão ligadas ao som, à vibração e à comunicação. Cor: Azul claro. Elemento: Éter. Astro: Lua. Cristais: Água marinha, Lápis Lazuli, Sodalita, Turquesa e Topázio Azul. Qualidades positivas: Comunicação, criatividade, conhecimento, honestidade, integração, lealdade, paz. Desequilíbrio: Depressão, ignorância e problemas na comunicação. Mantra entoado: HAM.

6º Chakra – frontal

6º Chakra - frontal ou 3º olho. Imagem: Erik Pzado

6º Chakra – frontal ou 3º olho. Imagem: Erik Pzado

O sexto Chakra, frontal ou 3º olho situa-se entre as sobrancelhas. Suas funções estão ligadas à revitalização do sistema nervoso e à visão. Cor: Azul Índigo. Elemento: Luz. Planeta: Vênus. Cristais: Azurita, Lápis Lazuli e Safira. Qualidades positivas: Concentração, devoção, intuição, imaginação, realização da alma e sabedoria. Desequilíbrio: Dores de cabeça, falta de concentração, dores nos olhos, pesadelos e tensão. Mantra entoado: KSHAM.

7º Chakra – coronário

7º Chakra - coronário. Imagem: Erik Pzado

7º Chakra – coronário. Imagem: Erik Pzado

O sétimo Chakra ou coronário situa-se em cima da cabeça. Suas funções estão ligadas à revitalização do cérebro e à conexão com o divino. Cor: Violeta e branco. Elemento: Todos os elementos. Planeta: Mercúrio. Cristais: Alexandrita, Diamante e Ametista. Qualidades positivas: Percepção além do tempo e do espaço, abertura de consciência para o infinito. Desequilíbrio: Alienação, confusão, depressão e falta de inspiração. Mantra entoado: HUM.

– Labirinto

Descendo ao labirinto. Imagem: Erik Pzado

Descendo ao labirinto. Imagem: Erik Pzado

Labirinto. Imagem: Erik Pzado

Labirinto. Imagem: Erik Pzado

Após o contato com os nossos Chakras, através do toque nos cristais e dos mantras, nossa trilha de revitalização segue e termina, por fim, no Labirinto. O “labirinto é um caminho para a meditação e cura, que nos convida a embarcar em uma jornada meditativa que induz à dança, à música e à narrativa de histórias, ajudando-nos a descobrir a felicidade que existe no centro do labirinto e basicamente no centro de nossa vida” (Fonte: Guia de apresentação do Canto da Floresta Eco Resort). A vivência do labirinto está ligada aos caminhos que escolhemos ao longo da vida e o que cada uma destas escolhas trazem de benefícios e consequências. O passeio pelo labirinto é uma jornada rumo ao nosso íntimo.

Labirinto. Imagem: Erik Pzado

Labirinto. Imagem: Erik Pzado

No labirinto. Imagem: Erik Pzado

No labirinto. Imagem: Erik Pzado

Após pedir licença para entrar no labirinto, cada um de nós percorreu todas as “camadas” do mesmo, mentalizando as soluções para as ansiedades e problemas que nos afligem. Ao chegarmos ao centro, um grande cristal de Quartzo – um catalizador de energias – nos aguarda para que possamos nos energizar e assim concluir nossa jornada.

No labirinto. Imagem: Janaína Calaça

No labirinto. Imagem: Janaína Calaça

No labirinto. Imagem: Erik Pzado

No labirinto. Imagem: Erik Pzado

Ao fim da trilha, um carrinho nos aguarda para nos levar de volta ao hotel, mas há quem queira continuar a caminhada e voltar a pé. Fica a critério do visitante. A trilha é extremamente recomendável, não só pela atividade física que proporciona, mas, principalmente, pela oportunidade de reflexão e energização. O contato com a natureza, os pés ligados à terra, o som das águas, o caminhar entre as árvores, os mantras, tudo desemboca em uma experiência de reconexão com nossas raízes naturais e à nossa própria condição humana. O passeio não é recomendado às crianças, pelo grande fluxo de energias que circulam (as crianças são mais sensíveis) e pela própria dificuldade da trilha.

Fim da trilha. Imagem: Erik Pzado

Fim da trilha. Imagem: Erik Pzado

  • Dicas importantes

– Use calçados confortáveis e que não derrapem (tênis, papetes etc.);

– Leve uma garrafinha de água para evitar a desidratação;

– Use protetor solar e repelente de insetos;

– Vá de mente aberta. Participe das atividades. Valem a pena! 😉

De volta ao Canto da Floresta. Imagem: Erik Pzado

De volta ao Canto da Floresta. Imagem: Erik Pzado

  • Outras informações:

– Localização: Bairro Furquilha, Amparo, São Paulo.

– Como chegar:

Partindo de São Paulo (menor trajeto): Pela Rodovia Fernão Dias, no Km 23,5 utilize a Saída 22 para Bragança Paulista. Entre na cidade, passe pelo Lago, e siga sentido Av. Imigrantes, depois Av. Plínio Salgado. Passe quatro rotatórias (Placas Tuiuti e Circuito das Águas) e na quinta rotatória (tem um Supermercado Big a direita e Posto Esso a esquerda), entre na Av. Plínio Salgado a sua esquerda. Deste ponto (quinta rotatória) são 2,5 Km até a placa Amparo/Tuiuti. Entre a esquerda em direção a Tuiuti. Deste ponto são 23 Km até a segunda rotatória/entrada de Tuiuti. Ignore a primeira rotatória/entrada de Tuiuti, e 700 metros a frente tem uma segunda rotatória/entrada, onde pode se ler “Bem Vindo a Tuiuti”. Em frente a esta segunda entrada/rotatória tem uma estrada de terra a direita. São 10 Km até o Hotel. Para informação: Da Av. Paulista até o Hotel são 125 Km.

– Confira aqui se este resort pode ser reservado através do Booking e não perca tempo!

– Reservas: (11) 3892-7732

– Site oficial: Canto da Floresta Eco Resort

Siga a trupe do Jeguiando no Twitter!

Conheça nossa Fanpage!

http://www.facebook.com/Jeguiando

 

    *Aviso: Todo o conteúdo do Jeguiando.com está protegido pela LEI DO DIREITO AUTORAL, Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998. Portanto é proibida qualquer reprodução ou divulgação das imagens, com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na WEB, sem prévia consulta e aprovação.     **Comentários ofensivos serão deletados.  

Um comentário

  1. […] não consegui testar. Minha sugestão se você está interessado nessa área mística é ler o Jeguiando que foi sem criança e testou cada uma dessas […]


Anuncie no Jeguiando! 8 anos de viagens! Lojinha_do_Jeguiando

Pesquisar

  Expedição Jeguiando Across Canada - Atravessando o Canadá nos trens da Via Rail  

Destinos visitados pelo Jeguiando

    alemanha bariloche2 Canadá patagonia_chilena3 França Alagoas_topo Bahia recife Mato_Grosso_do_Sul Minas_Gerais Rio Sao_Paulo Paraná Porto_Alegre Santa_Catarina

Posts mais Populares

%d blogueiros gostam disto: